11
Mar
09

sobre all stars, havaianas e afins

Se alguma hecatombe se abatesse sobre este pobre planeta, e não sobrasse nada além de fumaça destruição e  paisagem desértica,  talvez alguns itens icônicos permaneceriam como testemunhas para contar a história do que rolou por aqui.  Com certeza,  um par de tênis All Star e um  de sandálias havaianas. É uma questão de reconhecimento por serviços prestados,  afinal,  ambos nos serviram  bem, com o   designer  perfeito e definitivo que possuem.

A paisagem poderia ser a estátua da liberdade, meio  soterrada, com um All Star amarrado na cabeça , e uma  havaiana enganchada na tocha,  para ficar bem claro que por  aqui  um dia circulou vida, digamos,  medianamente inteligente. Restaria  também sob os escombros,  uma garrafa de Coca cola, uma carcaça de fusca,  talvez um retrato da Marilyn,  um I-pod com a bateria fraca, tocando  incessantemente alguma canção dos Beatles. Ah, talvez,  também alguns filmes de Woody Allen, para explicar didaticamente,  um pouco da nossa  paranoia.   Mas isso já é outra história.

O bom design não é biodegradável.

Vinte anos e poucos anos  atrás, um tórrido verão de mais de 30 graus na Europa. Levei as tais  sandálias no fundo da  mochila . Para falar a verdade, sem a mínima intenção de  usa-las. Imagine!!!  Não só as  usei, como   serpenteei pelo velho mundo, observando a paisagem  sob a ótica de um par de  havaianas.  As tiras não pertenciam a ela, eram de outra  cor.  Isso dava  um toque  ainda mais estranho, para aquela peça um tanto  esquisita  para os gringos. Minha namorada,  que não era conservadora ou preconceituosa, fugia de mim como seu  eu fosse vítima da peste negra. Sentia  em seu olhar um misto de piedade e desprezo,  uma vontade de dizer a todos que   não conhecia aquele pobre mendigo que teimava em persegui-la por todo  canto. Nem aí,  desfilei com meu par de  jóias, como se fosse um príncipe, entrando e saindo de hotéis, museus,  restaurantes e   catedrais. Para agravar ainda mais a ira dela, nosso passe de trem nos permitia transitar de primeira classe.

As havaianas me mostraram,   Picassos, Matisses,  Mondrians  Monalisas,  moinhos de vento  e uma série de maravilhas inesquecíveis.  Deveria te-las guardado.  Recordo-me que a última vez que nos vimos,   elas estavam  nos pés  da da moça que trabalhava  na casa do meu pai, lavando a calçada . Nos encontramos, nos despedimos   e nos agradecemos!

Uso o episódio como brincadeira,  dizendo  que “lancei as havaianas na Europa”, pois ao contrário de hoje, um ícone fashion,  naquela época,  ninguém conhecia aquelas  maravilhas por lá.

Agora All Star, tem que ser de cano alto! O primeiro que tive, foi vermelho. Ganhei um,  achei o máximo – começo dos anos 70 – era ” avis rara” por aqui.  Quanto mais rodado, mais legal ia ficando.  Entre as andanças que  fiz por esse, e outros mundos, nesses anos todos,  tive  quase todas as cores, brancos, vermelhos pretos e azuis. Com cada um vivi boas histórias.

Confesso que de uns tempos para cá, uma questão tem me intrigado bastante e me deixado com uma sensação  estranha:  cabelo grisalho combina  com All Star de cano alto?  Será que ainda consigo segurar  atitude daquela estrela impressa na sua lateral? E  a  nossa   incrível cumplicidade,  será que já  expirou?  Será que ainda  seguro  essa onda? A impressão que me causa, é a de que estou querendo parecer um eterno garotão…   Essas perguntas são  bem emblemáticas  num certo momento da vida.

Quer saber, resolvi que vou dar um tempo para essas inconvinientes questões . Vou desencanar e sair logo atrás de  um   All Star verde, de cano alto. Acabei de lembrar que nunca tive um dessa cor .  No fundo, acho que era essa resposta que  eu estava procurando, afinal,  da vida nada se leva, só a saudade de um par de havaiansa e de um bom e velho All Star…de cano alto…claro!

Anúncios

3 Responses to “sobre all stars, havaianas e afins”


  1. Março 12, 2009 às 11:27 pm

    Pode apostar: All Star combina com o estado de espírito e não com a idade cronológica de seus usuários!!!

  2. 2 Gordo
    Novembro 24, 2009 às 6:24 am

    Zé ,eu uso até hoje ,todos os dias ou um all star ou as minhas queridas Havaianas aquelas que não soltam as tiras e não tem cheiro!

  3. 3 Anderson
    Dezembro 22, 2010 às 11:59 am

    adorei a sua estória e achei muito bonita também vc é mesmo fã do CONVERSE ALL STAR que nem eu.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


autor/proposta

josé luiz leone, arquiteto/designer ARQBAR = BAR : balcão+serviço rápido+amigos+ camaradagem+bate papo+ descontração+ circulação de informações+pessoas+ aprendizado+relacionamentos +parcerias+divulgação de trabalhos+ cumplicidade+novidade+ informação+arte+arquitetura+design

Acessos

  • 118,915 acessos
Março 2009
S T Q Q S S D
« Fev   Abr »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Páginas

twitter

  • @MarceloTas O mais preocupante da renúncia de Bento XVI é Lula mudar os planos e querer ocupar a santa cadeira 4 years ago
  • a forma do som? wp.me/pqIMY-116 5 years ago
  • Ufa, segundo turno. Nos livramos do Netinho, mas infelizmente não do tiririca.Td bem vamos eliminando pouco a pouco 7 years ago
  • Olha aí o povo dano o recado nas urnas : lugar de pagodeiro e fazer show para quem gosta 7 years ago
  • RT @Ednad: A @locaweb informou que o "problema" pode se manter por 15 dias. Até lá muitos já mudaram para outro fornecedor. 7 years ago

%d bloggers like this: